Multilíngua do WordPress precisa de ajuda, GlotPress em mudanças

O projecto multilíngua do WordPress está a precisar de ajuda. Simon Wheatley afirma que o propósito deste grupo de trabalho, iniciado em Sevilha durante o WordCamp Europa de 2015, é investigar formas de melhorar o suporte multilíngua fornecido pelo core do WordPress.

A ideia mais ou menos aceite é a de que a gestão multilíngua não deve ser integralmente provida pelo core, mas que este deve ter uma infra-estrutura para que se possa definir, à partida, a língua em que o conteúdo é criado. Os vários plugins poderiam, a partir dessa infra-estrutura, oferecer o interface administrativo e o resultado no frontend.

O objectivo de Wheatley é fazer com que seja mais fácil para os autores de plugins multilíngua criar e manter estas extensões, respeitando a diversidade de opções de cada um desses plugins.

Entretanto, Marko Heijnen, que também tem estado envolvido neste grupo de trabalho, deixou de liderar o projecto GlotPress. O GlotPress tem funcionado como plataforma paralela para gerir as traduções do WordPress, mas também de outras aplicações. Também é usado por developers de plugins e de temas para gerir as suas próprias traduções. Embora partilhe uma parte da base do código com o WordPress, o projecto GlotPress foi sendo desenvolvido em paralelo, com base na biblioteca de código PHP derivada do WordPress, o BackPress, projecto que entretanto foi descontinuado mas que pode vir a ser reactivado.

GlotPress vai passar a plugin

O GlotPress caminha a passos largos para ser transformado num plugin. Foi já criada uma equipa para desenvolver o plugin no GitHub.

Aliás, foi por estar contra esta decisão que Marko Heijnen deixou de ser o lead developer do GlotPress. O Marko considera que integrar o GlotPress como plugin no WordPress pode significar o seu abandono como solução de gestão de traduções por quem usa outras plataformas.

O objectivo desta mudança é facilitar a instalação e configuração do GlotPress (quebrando em definitivo a sua dependência do BackPress), e para passar a beneficiar, como plugin do WordPress, da comunidade alargada de developers, do ciclo de desenvolvimento e de actualizações da própria plataforma, em vez de ser uma aplicação externa.

Deixar uma resposta