Fim do suporte para a versão 3.7 do WordPress

O Melhor da Semana N.º 191: Gutenberg, REST API, os desafios da 4.9 e o fim do suporte para a versão 3.7

O core do WordPress é, neste momento, suportado até à versão 3.7, que foi lançada em Outubro de 2013. Aaron Jorbin propôs a actualização dos sites que usam essa versão, correspondentes a 0,4% de todos os sites WordPress, para a 4.1. Esta passaria a ser a versão mais antiga a receber suporte. Depois de algum debate, a equipa do core decidiu transpor os sites que usam 3.7 para a 3.8 como um passo intermédio para a 4.1.

Chama-se Gutenberg por alguma razão. Matt Mullenweg decidiu falar sobre o tópico quente do WordPress por estes dias.

Por estes dias, Aaron Jorbin também dissertou sobre o Guteberg. Pritush conta o que correu mal no processo do projecto Gutenberg e o que pode ser feito para resolver a situação.

Edwin Cromley também fez a sua experiência em redor do Gutenberg e tem opiniões sobre isso.

Como contribuir para o Gutenberg sem ser programador.

Com o Gutenberg a dominar as atenções, quase não há debate sobre os próximos passos da REST API. Ryan McCue decidiu reabrir a conversa.

Os desafios da 4.9

Mel Choyce é uma das pessoas que lidera o desenvolvimento do WordPress 4.9. Uma das missões é melhorar as várias formas de edição de código: o editor para plugins e temas, o editor de CSS na personalização e o novo editor de HTML nos widget. A coisa não é fácil.

Fred Meyer descobriu que um bug descoberto há oito anos continua por resolver. Isto é, até há um patch mas ainda não foi integrado no core porque…

Uma actualizou correu mal e o caldo está entornado? A resolução passa por repor uma cópia de segurança ou usar o WP Rollback.

E ainda…

Como instalar e configurar um tema WordPress.

Pontos a considerar antes de deixar de usar React por causa da licença imposta pelo Facebook.

Um guia para programadores sobre como fornecerem suporte aos respectivos temas.

WP-CLI, WP-Cron, e o agendamento de tarefas.

Como criar uma intranet para a tua empresa.

10 coisas que os escritores de UX detestam fazer.

Deixar uma resposta